Do meu arquivo: uma crônica sobre crônicas

 

25-1000

Preciso compartilhar aqui um texto que encontrei relendo arquivos antigos, que escrevi há alguns anos atrás. Pelo que o próprio texto mostra, foi escrito em 2010 (quando eu estava terminando o Ensino Médio), e precisava ser uma crônica, onde, na falta de assunto, eu resolvi falar justamente (e estranhamente) de um típico “problema” de uma adolescente que se encontra cheia de tarefas a cumprir em um ano decisivo. E por falar em ano, percebe-se que é bem característico de tal, pois citei inclusive o falecido serviço de comunicação MSN. Hahaha sim, e eu entreguei isso pra professora!

Não lembro se ela gostou ou não, mas, apesar de ser engraçado ao ler agora, acho até que ficou bom, faz sentido! Pelo que eu me lembro, foi a primeira vez que tive a oportunidade de escrever uma crônica pra valer – que, na minha cabeça, era escrever o que eu pensava, da forma que eu queria, sem muitas regras, e sem ser julgada por estar certa ou errada, como geralmente eu me sentia em relação ao que escrevia em sala de aula, enfim, conto um pouco disso no texto “Poesia Crônica”. Na sequencia, a fatídica construção da crônica:

Uma crônica sobre crônicas

“Preciso escrever uma crônica”. Essa é a frase que não sai da minha cabeça nos últimos minutos. Deveria ser nos últimos dias, porque a professora pediu na semana passada, mas, como não tem jeito, tudo acaba ficando pra última hora, feito sob aquela pressão que só quem já foi aluno conhece, então, é nisso que venho pensando nos últimos minutos mesmo.
Eu tenho o costume de ler crônicas, e nesses últimos dias eu até que tenho dado uma pesquisada nos meus cronistas favoritos Antônio Prata e Fabrício Carpinejar – adoro o que eles escrevem, indico eles sempre, mas enfim, voltando.. – para ver se encontro alguma ideia, alguma inspiração, mas a sensação que tenho após ler suas crônicas é exatamente contrária à que eu esperava: penso “Como eles conseguem? Nunca vou conseguir escrever como eles”, e tudo o que ganho com esse tempo em que li, foi só o conhecimento de umas crônicas a mais.
Eu sei, isso é ótimo, é bom pra mim, mas me faz pensar que já existem crônicas pra tudo. E eles escrevem de uma maneira tão singular, que não imagino eu, mera aluna de terceiro ano do ensino médio, conseguir escrever dessa maneira tão diferente que eles escrevem sobre praticamente tudo: desde assuntos mais corriqueiros como o amor, a infância, verão, o amor de infância e de verão.. até assuntos mais inéditos como papel higiênico, bolsos, sungas e caneta Bic  (vê se pode, até uma Bic tem crônica e eu não sei sobre o que escrever). Tudo isso escrito de uma forma tão inovadora, digamos assim, e tão envolvente que faz querer ler mais e mais sobre aquele jeito alegre de escrever, como se o cronista só pensasse e a crônica ficasse pronta!
Já passaram tantos assuntos pela minha cabeça durante esses minutos, que quando eu penso que encontrei o tema que queria para minha crônica, encontro uma já existente, exatamente sobre o que eu queria escrever, fazendo-me esquecer de tudo o que eu estava pensando, de modo que eu consiga pensar como quem a escreveu – não sei se estou conseguindo expressar direito, mas espero que estejam compreendendo minha linha de pensamento – pois uma crônica bem escrita é assim mesmo, inexplicavelmente, nos faz pensar da mesma maneira que o cronista, ou pelo menos enxergar aquela forma de visão que o cronista tem, que antes talvez não nos chamasse atenção.
E é isso que quero e preciso fazer na minha crônica. Expressar a minha forma de percepção sobre algo, mas por algum motivo, não consigo. Talvez por causa dos meus cronistas favoritos, talvez por causa dos amores de infância e de verão, pelo papel higiênico ou pela Bic, ou ainda por causa da janelinha do MSN sempre aparecendo na tela ou alguém aqui de casa pedindo pra eu fazer isso ou aquilo. Acho que pode ser porque eu não tenha o dom, ou não sei o que pode se chamar que os cronistas têm ao fazer as suas crônicas. Talvez eu não tenha nascido pra isso, talvez eu tenha que fazer meus deveres antes, e não sob aquela pressão da véspera da entrega, mas, pra hoje, foi o que consegui e a única certeza que tenho é de que eu preciso escrever uma crônica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *