Meu mês em fotos: maio/2016

Maio foi corrido, intenso, um tanto quanto desafiador. Um mês de poucas fotos, mas de muito aprendizado e crescimento, creio eu. Daqueles dias conturbados que todo mundo passa.

Pequenos prazeres também fazem parte destes dias, e compartilho agora alguns dos registros fotográficos do mês em simples momentos do dia a dia, nesta época marcada pelo frio que começa a dar as caras.

FOTO 01 – A VIDA NÃO PARA

01.JPG

Flores, para lembrar que, por mais rigorosos que sejam os dias, sempre é possível manter a serenidade e a delicadeza, mesmo com os altos e baixos da vida. Sejamos como elas!

FOTO 02 – UM ESPETÁCULO NO CÉU

02.JPG

Nuvens são encantadoras. Por vezes, assustadoras. Nos dias de céu azul enfeitam, silenciosas, as manhãs de rotina. Diferentes formações fascinam, beldades da natureza. Feliz de quem pode apreciá-las e reconhece sua beleza.

FOTO 03 – LOOK DO DIA

03.JPG

Idas e vindas na estrada. Os dias gelados não são problema para encontrar o coração quentinho de quem a gente ama. Não resisti ao charme desse visual! Haha.

FOTO 04 – INVERSAMENTE PROPORCIONAL

04.JPG

Jogo de cores que refletem uma relação. Gostos se unem e se completam. E mesmo quando são contrários, se encaixam lindamente.

FOTO 05 – COMIDA DE FRIO

05.JPG

Aquela feijoada tradicional. Não sei se ela estava tão bonita ou eu que estava com fome mesmo… Hehe.

<3

Eterno brilho fugaz

ceuemar 1000

Há tanto que discorre
E o tempo parece que passa
Mas o relógio não corre
Se arrasta, se gasta
Nos gasta e desgasta
Por tudo que ocorre

Pelo que chegou
Pelo que brilhou
Lindo foi, marcou
Mas se foi, e nos deixou

Tanto se passou
Em tão pequenino tempo
Mas com tão grande amor
Que não sairá da lembrança
De quem sentiu seu calor

Para acalmar a dor
Fica a recordação
Da imagem pura e serena
Daquela face pequena
Que nos encheu de alegria
Trouxe união
E mais harmonia

Ainda virá a calmaria
Aos aflitos corações
Convertendo em boas energias
Nossas tristes emoções

Desligue o achômetro

purple 1000

Eu me incomodo um pouco com a necessidade que algumas pessoas têm de julgar a vida dos outros. Basta alguém fazer uma coisinha diferente do habitual e pronto!… Já é motivo para julgamentos dos olhos mais curiosos.

Não precisa muita coisa…

Começar a malhar. Não malhar. Mudar de endereço. Morar em um lugar.  Resolver trancar a faculdade. Resolver começar uma faculdade. Namorar. Não namorar. Ir a um show. Viajar. Ficar em casa. Comer bolo de chocolate. Comer alface. Comer carne. Ser vegetariano. Sair com alguém. Falar. Calar. Estar. Ficar. Ir…

Cada decisão está propensa à julgamentos, e muitas vezes julgamentos maldosos. Como se cada atitude fosse motivada por propósitos ruins, e feita para atingir uma vontade implícita de cada um. E não é bem assim.

Pode parecer meio óbvio, mas as pessoas de bom coração querem mais é viver em paz. Não deixam suas vontades subentendidas através de suas atitudes. Decidem por isso ou aquilo explicitamente, muitas vezes somente porque estão com vontade. Não optam por uma coisa para tentar demonstrar algo.

Como eu queria que cada um pudesse fazer suas coisas, como bem entendem, sem o “achômetro” dos outros sempre ligado. Opiniões e compartilhamentos de experiências são legais, e nos ajudam a evoluir, claro. Chatos são os julgamentos sem conhecimento de causa. Porém, creio que é difícil que eles não existam, pois às vezes são mais fortes do que as pessoas que os fazem, e muitas vezes nem percebem que já estão novamente julgando uma coisa ou outra.

É tão bom poder viver sem pressões e sem preocupações sobre o que os outros vão pensar. E a solução é isso mesmo, fazer o que se quer, pensando no bem e desejando o amor para tudo e todos. É o que eu procuro fazer, porque eu acho que se encher de bons pensamentos e energia positiva só atrai coisas boas.

Por mais que, vez ou outra, sintamos uma energia não muito boa de alguém, não podemos saber de cara suas intenções. Então procuro acreditar que a energia positiva serve, no mínimo, como um escudo protetor, onde os pensamentos atraem aquilo que exalam, e vice-versa.

Sei que fazer a minha parte, e incentivar para que os à minha volta também façam, já contribui para uma vida tranquila. Aos poucos, isso vai contagiando mais e mais pessoas para que também vejam a vida assim.