Meu mês em fotos: maio/2016

Maio foi corrido, intenso, um tanto quanto desafiador. Um mês de poucas fotos, mas de muito aprendizado e crescimento, creio eu. Daqueles dias conturbados que todo mundo passa.

Pequenos prazeres também fazem parte destes dias, e compartilho agora alguns dos registros fotográficos do mês em simples momentos do dia a dia, nesta época marcada pelo frio que começa a dar as caras.

FOTO 01 – A VIDA NÃO PARA

01.JPG

Flores, para lembrar que, por mais rigorosos que sejam os dias, sempre é possível manter a serenidade e a delicadeza, mesmo com os altos e baixos da vida. Sejamos como elas!

FOTO 02 – UM ESPETÁCULO NO CÉU

02.JPG

Nuvens são encantadoras. Por vezes, assustadoras. Nos dias de céu azul enfeitam, silenciosas, as manhãs de rotina. Diferentes formações fascinam, beldades da natureza. Feliz de quem pode apreciá-las e reconhece sua beleza.

FOTO 03 – LOOK DO DIA

03.JPG

Idas e vindas na estrada. Os dias gelados não são problema para encontrar o coração quentinho de quem a gente ama. Não resisti ao charme desse visual! Haha.

FOTO 04 – INVERSAMENTE PROPORCIONAL

04.JPG

Jogo de cores que refletem uma relação. Gostos se unem e se completam. E mesmo quando são contrários, se encaixam lindamente.

FOTO 05 – COMIDA DE FRIO

05.JPG

Aquela feijoada tradicional. Não sei se ela estava tão bonita ou eu que estava com fome mesmo… Hehe.

<3

O assunto do dia

frio1000

É, parece que o frio chegou de vez. Hoje, especificamente e drasticamente o tempo virou, e a mudança de temperatura foi explícita. Como de costume, ao acordar, verifiquei a previsão do tempo no meu celular e me impressionei: máxima de 13°C! Eu sabia que iria esfriar, mas tipo, como assim tão rápido? Ontem mesmo estava fazendo vinte poucos graus. A mudança repentina chamou atenção de muita gente.

Começamos a sentir o frio, a ver o frio, e também a ouvir o frio. Sim, foi o assunto do dia em muitas conversas que presenciei e, obviamente, nas redes sociais não foi diferente. Fotos de pessoas agasalhadas, notícias sobre o clima e desejos de gordices de frio começaram a rolar na timeline. Sopa, chocolate quente e chimarrão parecem ser as campeãs.

Mas sabíamos que ele estava pra chegar, e a diferença climática entre as estações no Rio Grande do Sul é bem extrema. Inclusive, por aqui tem dessas: quando a gente já tá de saco cheio do calor, começa a esfriar, e quando não aguentamos mais passar frio, o calorzinho começa a dar as caras. Acho isso ótimo porque isso reflete diretamente no guarda-roupas, e quando já não temos mais looks para montar com as peças da estação, podemos trocar pelas da próxima.

Em geral, o meio termo só existe na primavera e no outono, as estações costumam ser bem demarcadas, e sei que isso não acontece em todo Brasil. De resto, dá pra inverter o guarda-roupas MESMO! Não precisa deixar aquelas peças de meia estação mais à mão porque elas não vão ser utilizadas, a menos que possam cobrir ou serem cobertas por outras três ou quatro camadas de roupa no inverno. Aliás, a não ser no verão, aquele shortinho e a blusinha fina podem ficar bem no fundo da gaveta mesmo.

Eu sou muito friorenta. Do tipo que não consegue deixar o pescoço à mostra no inverno e vive com dor nas costas por ficar se encolhendo nos dias de frio. Morro de inveja daquelas mulheres que parecem que não sentem frio e conseguem usar poucas camadas de roupas sem ficarem arrepiadas. Porque, convenhamos, por mais que casacos, botas e toucas possam dar um ar super elegante ao visual, em algumas situações eles não são adequados. É preciso ser forte para aguentar o frio e usar uma roupa que preze pela feminilidade em determinados eventos durante o inverno e não ficar parecendo uma múmia enrolada em centenas de roupas.

Para esse período de transição entre estações, tenho uma tática para tentar não sentir tanto frio quando ele estiver em seus dias mais rigorosos: não vou logo vestindo tudo que é possível já no início. Vou passando um pouco de frio nos primeiros dias pra ir me acostumando aos poucos. É engraçado, pode parecer loucura e talvez seja só psicológico, mas que seja! Prefiro acreditar que funciona, porque se fazendo isso eu já sinto tanto frio no auge do inverno, imagino que se não fizesse, talvez precisasse andar enrolada em um cobertor o dia todo.

Fica a dica pra galera do friozão. Quem é com eu, deve entender, e não custa tentar pra ver se vai funcionar, né não? Depois que passar o inverno a gente conversa pra ver se deu certo.